EIAC (Estágio de Instrução e Adaptação para Capelães da Aeronáutica)

O EIAC (Estágio de Instrução e Adaptação para Capelães da Aeronáutica) é um tipo de instrução ministrada através do CIAAR (Centro de Instrução e Adaptação da Aeronáutica). O estágio, que é conquistado após passar por concurso público, tem como objetivo integrar os capelães a vida militar, proporcionando vários treinamentos importantes para esse tipo de trabalho.

Neste post, falaremos sobre o EIAC, considerando para que serve o estágio, o que é ministrado dentro do estágio, o processo de seleção dos candidatos, dentre outras informações importantes. Falaremos também sobre os diferentes campos de estágio ao qual os capelães precisam passar. Confira tudo isso a seguir e muito mais.

 

O que é EIAC?

O EIAC significa “Estágio de Instrução e Adaptação para Capelães“, que é uma espécie de estágio preparatório para capelães que pretendem seguir com a vida profissional na área militar. Esse estágio adaptativo é ministrado pelo CIAAR, que é o “Centro de Instrução e Adaptação da Aeronáutica“. Site oficial para 2019: http://www2.fab.mil.br/ciaar/index.php/admissao-e-selecao/2-uncategorised/302-eiac2019

Ao todo, o curso tem duração aproximada de 13 semanas, onde os capelães que são aprovados pelo concurso público precisam passar por um treinamento que é dividido entre três diferentes campos de atuação, sendo eles: campo geral, militar, e técnico-especializado. Nesses três campos diferentes os capelães aprendem vários pontos importantes que serão utilizados em suas vidas profissionais. Veja a seguir um resumo das atividades que serão ministradas nos três campos de atuação do estágio adaptativo:

  • Campo geral: o estágio ministrado no campo geral corresponde aos conhecimentos que todos os indivíduos que atuam na aeronáutica devem ter. Sendo assim, podemos resumir essa área do estágio como os conhecimentos imprescindíveis para um bom desempenho dentro da aeronáutica.
  • Campo militar: já no campo militar, o estágio ministrado aos capelães segue um padrão mais rigoroso do ponto de vista teórico, onde o capelão aprenderá sobre a vida militar de um modo que eles se tornem aptos ao desenvolvimento de um Oficial da Aeronáutica.
  • Campo Técnico-Especializado: neste campo, o candidato capelão que estiver realizando o estágio EIAC terá que se adaptar a todas as condições peculiares que os militares enfrentam dentro do ambiente de trabalho, considerando as atividades que deverão ser exercidas, a hierarquia do local e a estrutura organizacional que é formulada pelo COMAER (Comando da Aeronáutica).

No campo técnico-especializado, o capelão também aprende sobre a rotina diária dos Oficiais que atuam na aeronáutica considerando os diferentes ramos de atuação de acordo com cada especialização. Dessa forma, os capelães são treinados a respeitar a hierarquia empregada na aeronáutica, assim como toda a estrutura da Força Aérea.

Como já mencionamos, o curso possui uma duração média de 13 semanas, que é equivalente ao período de 21 dias corridos, onde os capelães devem permanecer sob regime de internato. Os dias do estágio começam a ser contados desde a matrícula do candidato quando ele é aprovado no concurso público.

banner EIAC

 

O que acontece durante o EIAC?

O Estágio de Instrução e Adaptação para Capelães da Aeronáutica é uma conquista para muitos candidatos capelães que são aprovados no concurso público do CIAAR. A partir dessa conquista, os candidatos passam a ser declarados como Aspirante-a-Oficial do EIAC pelo próprio Comandante do CIAAR. Durante todo o estágio voltado aos capelães, essa é a designação que os estagiários se submeterão.

Mesmo aprovados pelo concurso público, os candidatos ainda terão que passar pelo Plano de Avaliação aplicado pelo CIAAR durante o estágio. Esse plano de avaliação segue as regras e ao regime escolar ministrado pelo próprio CIAAR.

Isso significa que os capelães estagiários deverão realizar provas do tipo práticas e teóricas dentro de cada um dos três campos mencionados (geral, militar e técnico-especializado). Já ao final do estágio, os estagiários deverão ainda passar por uma avaliação que determinará a conclusão do estágio de acordo com as notas atingidas por cada Aspirante-a-Oficial.

Essa conclusão ainda só é possível quando o estagiário possui bom aproveitamento durante todo o estágio. Ou seja, todas as notas obtidas ao longo do estágio são utilizadas como base para a definição da nota final de cada capelão. Neste caso, as notas passam por graus e médias que são consideradas para a nota final. Esta última avaliação tem como objetivo definir se o capelão poderá ter nomeação equivalente ao Oficialato, pois esta nomeação é possível apenas após a conclusão do Estágio de Instrução e Adaptação para Capelães da Aeronáutica.

Já no caso dos candidatos que eram militares antes de se tornarem capelães, durante a matrícula ao EIAC eles deverão ser desimpedidos em relação as organizações anteriores. Isso significa que durante a matrícula ao EIAC a origem da Força do militar terá seu desligamento automático, passando assim a ser um Aspirante-a-Oficial como todos os demais candidatos ao Oficialato no estágio.

 

O que acontece após a conclusão do EIAC?

Quando o estágio chega ao fim do período estimado de 21 dias, os candidatos recebem sua nota final com base nas notas anteriores. É neste momento que cada candidato receberá a sua classificação final de acordo com o desempenho dentro do estágio. Além disso, a conclusão do estágio definirá a hierarquia de cada um dos capelães considerando as normas vigentes ao Plano de Avaliação aplicado ao estágio como um todo.

Para cada capelão designado como Aspirante-a-Oficial que tiver um aproveitamento bom do EIAC durante a conclusão será designado a nomeação de Segundo-Tenente da Aeronáutica de acordo com o Comandante da Aeronáutica. Essa nomeação já inclui automaticamente o militar ao Quadro de Militares da Aeronáutica.

Ao final do estágio, os candidatos que se tornarem Segundo-Tenente terão ainda que servir em OM pelo COMAER em alguma região do território nacional. A vaga em aberto para cada um desses candidatos ainda contará com o diferencial em relação a sua especialidade. Além disso, essa designação ao OM contará ainda com a classificação que cada um dos candidatos obtiverem ao final do estágio.

Isso significa que quanto maior é o desempenho do capelão dentro do estágio, melhor é a sua posição em relação a profissão militar na aeronáutica. Esse conceito ainda se aplica ao modo como o Segundo-Tenente já formado no estágio irá servir ao OM.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *